Inverness: Lago Ness

Reino Unido – Dia 23

PS: Após uns longos e cansativos dias estou de volta!

Que noite! Uma porcaria! A noite não consegui fechar a janela e estava dormindo na cama perto da janela. Quase morri de frio. Obviamente minha garganta amanheceu inflama. Além do frio insuportável teve o fato da cortina do quarto não vedar a luz direito e este foi o dia mais longo do ano (solstício de verão, quando começa o verão). Ou seja, anoiteceu perto de meia noite e amanheceu antes das 4 horas da manhã. Luz e frio foi demais para mim. Não dormi a noite toda e estava exausta, mas fui fazer o que tinha que fazer. Depois de um gargarejo de água quente com sal, que é o que temos para hoje.

O que tinha para fazer era visitar o famosíssimo lago Ness. Há vários vilarejos e algumas trilhas na beira do lago. Olhei várias e acabei optando pela mais famosa. O vilarejo de Drumnadrochit tem algumas trilhas curtas e fica a 21km de Inverness e a 2km do Castelo Urquhart.

Já tinha comprado a passagem para o primeiro ônibus do dia para poder aproveitar bem o tempo e voltar em um horário razoável. Lembrando que os horários não são dos melhores. O meu ônibus era da empresa Citylink que já tinha usado entre Glasgow e Fort William, Fort William e Skye, e entre Skye e Inveness. É um ônibus tarifa bonito e confortável. Até que o motorista atrasa e ônibus sai quase 30 minutos depois do horário, mas pelo menos tiveram o mínimo de educação e informaram isso para gente e pediram desculpa. Antes do meio do caminho, o motorista te diz que o ônibus quebrou e que vamos ter que esperar o mecânico, para quem vai até a cidade “X” poderá pegar outro ônibus que para ali dentro de 30 minutos. E só isso que ele podia fazer. Não adianta reclamar ele recebeu essa ordem da empresa e é isso.

Oi! Estou no Brasil? Não. Ah, tá! Só para constar.

Quando fui ver a porta do ônibus não fechava porque o cano de ferro quebrou de tanta ferrugem. Ou seja, por fora o ônibus está lindo e novo, mas a mecânica não. Bem o mecânico chegou antes do outro ônibus e disse que não tinha o que fazer. Ligou para empresa e ela disse que outro ônibus chegaria em 20 minutos. Eu peguei o ônibus até a cidade “X” porque me servia, mas não vi diferença nenhuma de qualquer outro serviço prestado no Brasil. Ainda não entendi essa idolatria toda pela Europa. Depois da viagem quero escrever sobre isso.

Mais de uma hora depois do que era previsto cheguei na ruína do Castelo Urquhart. Pela primeira vez meu cartão pré-pago não passou. Os albergues e esse ônibus ruim de Inverness me cobram a mais para passar o cartão, na loja de pie & mash tinha um valor mínimo, mas não funcionar não me ocorrido ainda. Fazer o quê? Hoje foi o dia da zica.

O castelo construído no século XV, no local historicamente habitado a beira do lago, foi um dos maiores da Escócia até ser abandonado destruído no século XVIII. Na entrada tem os tradicionais café e loja com mirante, mas tem uma explicação de como era e funcionava o castelo, inclusive com alguns achados arqueológicos do próprio sítio. E tem um vídeo de 8 minutos sobre a história local. Depois fui ver o castelo em si e Achei bem bonito e interessante. Aliás, bem sinalizado também. Acho que prefiro ver ruína que castelo montado porque o foco aqui não é “olha como sou rico e poderoso” e as curiosidades não são penico de ouro e sim a história cultural e local. Adorei a visita.

Só uma informação, é possível ir e volta de barco pelo lago, mas achei caro demais o valor do passeio. Também tem passeios de barco no lago, mas dispenso.

Bolas usadas nas catapultas.

Bolas usadas nas catapultas.

A hierarquia do castelo.

A hierarquia do castelo.

Como era o castelo e como ele está.

Como era o castelo e como ele está.

Vista do ponto mais alto do castelo com o lago Ness.

Vista do ponto mais alto do castelo com o lago Ness.

Depois fui andando até a vila de Drumnadrochit por entre campos, vistas do lago Ness e, as vezes, casinhas graciosas. Lá fui ao mercado e comprei maçã para a garganta. E surpresa! As maçãs deliciosas eram brasileiras. Devido meu estado de pessoa que não dormiu e estava gripando não fiz nenhuma trilha, mas passamos em frente ao Loch Ness Centre & Exhibition. Este é um pequeno museu pago que conta um pouco mais sobre a história do lago e do folclore sobre o Mostro do Lago Ness – ou Nessie para os íntimos. Do lado de fora do prédio tem um submarino, que na década de 1970 foi usado para procurar em vão o tal monstro, e um barco, usado na década de 1990 em uma pesquisa no fundo do lago, que tem 230m de profundidade. Lá tem uma placa comparando que a London Eye tem 135m de altura.

Lago Ness.

Lago Ness.

Ovelhinhas.

Ovelhinhas.

:)

🙂

A vila de Drumnadrochit.

A vila de Drumnadrochit.

Yellow submarine.

Yellow submarine.

Depois voltei para o albergue de ônibus comum. Mais barato e não quebrou no meio do caminho. Precisa tanto descansar que não fiz mais nada. Só descobri como fechar a janela, tomei café e, mais tarde, jantei com. Aliás descobri que tinha um chileno, um peruano e três argentinos no albergue. Eles brincaram que dava para fazer uma Copa América, mas estou fora desse assunto futebol.

Anúncios

2 ideias sobre “Inverness: Lago Ness

  1. Ci de Sá

    Ainda bem que você não entrou no assunto de futebol, porque no sábado, 27 de jun, o Brasil foi eliminado da Copa América pelo Paraguai 🙈

    Que linda foto do castelo e suas margaridas! E as ovelhas 💙💙💙

    Como assim? Escureceu quase à meia-noite?!!

    🐲

    Resposta
    1. N. Autor do post

      Inverness tem latitude 57º29′ e quando mais alta a latitude maior é o dia no verão e menor é o dia no inverno. Isso até chegar o circulo polar (latitude 66º33′) que tem 3 meses de sol, 3 meses de noite e 6 meses de amanhecer/pôr do sol. No Equador (latitude 0º) o dia e a noite são iguais.
      No Brasil os dias no Sul são mais longos/curtos que no Sudeste. No Norte, Maranhão, Ceará e Piauí os dia e a noite dura cerca de 12 horas cada um.
      Como era solstício de verão só ficou escuro de verdade quase meia-noite. É bizarro, mas é a realidade.

      As minhas irmãs ovelhas são fofinhas demais. Lembro que no CTUR tinha ovelha e eu adorava, mas elas ficavam presas. Agora nunca queira estar na frente de um carneiro zangado. Eu já vi esta cena e me surpreendi com a força do bichano.

      Resposta

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s